Fogo contra Fogo – Michael Mann (1995) 8.5/10

Fogo contra Fogo resume o que há de mais precioso no cinema de Michael Mann. Mais do que a dualidade poesia x realidade, o filme transparece um perfeito senso de poética urbana que se distribui durante toda a longa execução (na conversa casual entre criminoso e policial no bar, no estridente e duradouro tiroteio no meio de uma rua de grande movimento). Passo a passo, aos invés de se enfiar num emaranhado de tramas e sub-tramas, Mann descomplica, o impacto mora no trivial: bandido paga conta e tem problemas matrimoniais, policial abusa do monopólio da violência e tem problemas matrimoniais. Ambos possuem erros e acertos, são iguais. Mas – acima do bem e do mal – antes de serem qualquer coisa, eles são seres humanos e por causa disso seguem o seus instintos mais ordinários: caçam e são caçados.