Mildred Pierce – Todd Haynes (EUA, 2011) 8.5/10

Apoiando numa comprometida Kate Winslet, Haynes traça o perfil de Mildred Pierce mostrando impressões próprias da duplicidade da personagem, que ora se aproxima do clichê da mulher fortíssima perante o mundo cruel, ora se diluí da imagem postulada, mostrando-se frágil, malejável, influenciável (é impressionante como todos são capazes de configurar nela a fonte do erro, da culpa). Em momento algum Haynes defende Mildred, a história se desdobra através dos contrapontos drásticos da vida dela – e ele, como bom observador, demostra o lado estúpido e apaixonante de sua personagem, que desde o princípio toma mais como bibelô do que mulher.